Dor crônica e fibromialgia: relação com abuso sexual na infância

De a cordo com o livro Handbook of Child Sexual Abuse, dor crônica é queixa frequente entre adultos que relataram ter sofrido abuso sexual na  infância. E  o distúrbio pode variar de leve a incapacitante. A relação entre dor crônica e abuso sexual  a infância foi estabelecida a partir de muitos estudos feitos nos Estados Unidos, cujos resultados estão reunidos e apresentados nessa obra.

Duas síndromes aparecem com frequência nos estudos: fibromialgia e Síndrome do Intestino Irritável. O tratamento é um desafio e na maioria dos casos, os pacientes podem levar muitos anos até obterem alívio ou remissão dos sintomas.

O capítulo 3 do citado livro foi escrito por Kathleen Kendall-Tackett, e na introdução ela afirma que  homens e mulheres que sofreram abuso sexual na infância muitas vezes têm a saúde pior, em comparação com pessoas que não sofreram  esse tipo de violência. Além disso, os efeitos  podem só se manifestar na vida adulta ou, se começarem ainda na infância, durarem muito tempo após o abuso ter terminado. 

Outras experiências adversas também podem ter efeitos de longo prazo, incluindo maus tratos na infância (violência física), negligência (deixar a criança passar por privações e necessidades traumáticas, como sede, fome, medos ou muitas quedas, entre outras), uso abusivo de substâncias tóxicas e atividade criminosa por parte dos pais.

Em termos de terapia, sem ímpetos tendenciosos, me vejo inclinada a supor que a melhor forma de lidar com essas queixas seja a psicoterapia de base analítica, posto que em muitos casos a pessoa pode não se lembrar do abuso, ou seja, esse conteúdo pode estar recalcado ou reprimido. No entanto, sei que existem outras propostas de tratamento, como algumas terapias corporais, das quais conheço bem pouco e ignoro se a remissão dos sintomas  seria apenas temporária (alívio sintomático) ou se poderiam promover também algo semelhante a “cura”.

No caso da Síndrome do Intestino Irritável, com experiência de abuso sexual na infância, testemunhei a remissão completa dos sintomas, conforme relatado em outro post, a partir de processo terapêutico relativamente curto, cerca de um ano e meio.  Isso foi possível a partir do famoso RRE da técnica psicanalítica: Relembrar, Reviver, Elaborar.

A torcida dos especialistas e profissionais de saúde é para que, a cada dia, mais pessoas tomem conhecimento da gravidade que tem o  abuso sexual e outras violência cometidas contra as crianças.

Postado por Carmelita Rodrigues

Fonte: Handbook of Child Sexual Abuse: Identification, Assessment and Treatment. Editado por Paris Goldyear-Brown, 2012, Ney Jersey (EUA)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s