Fuja dos adoçantes!

Recebi um email alertando para o perigo do Aspartame, componente principal de certos adoçantes e considerado a Talidomida da atualidade. Não consegui descobrir quem é a suposta autora do artigo, a tal doutora Mancy (ou Nancy?) Marckle. Mas pelo sim, pelo não, acho que vale a pena evitar não apenas o aspartame, mas qualquer adoçante, inclusive os a base de estevea. Sei por outras fontes que adoçantes matam neurônios, afetando a memória, locomoção e outras funções neurológicas. Então, melhor não arriscar. É preferível chegar aos 50 ou 60 com gordurinhas do que com Mal de Alzheimer.

 

Vale lembrar a observação do médico Drauzio Varella: “No mundo atual está se investindo cinco vezes mais  em remédios para virilidade masculina e silicone para as mulheres do que na cura do Mal de Alzheimer. Daqui a alguns anos, teremos velhas de seios grandes e velhos de pinto duro, mas eles não se lembrarão para que servem.”

Tenho um dado importante a favor do alerta contra o uso do Aspartame (ainda que o artigo abaixo contenha inverdades): um amigo pessoal que trabalhou com certo deputado da bancada de Santa Catarina contou-me que o tal parlamentar recebia, na época, uma quantia mensal (mesada) da empresa Monsanto para defender os interesses da empresa na luta pela aprovação da soja transgênica (o famoso e nefasto lobby). Vou omitir o nome do meu amigo e o do deputado por razões óbvias. Se a Monsanto age  assim em relação à soja (e eu acredito no meu amigo por ser ele uma pessoa idônea), porque não  faria o mesmo para defender outros produtos por ela comercializados, como o Aspartame? A Monsanto está preocupada com o lucro, com dinheiro;  nunca com a saúde das pessoas. Então, preserve sua saúde e evite o que pode ser danoso, apesar dos apelos midiáticos lhe dizerem o contrário. Leia um trecho do artigo polêmico, levando em conta que eu não o estou tomando na conta de verdadeiro. Quem tiver instrumentos para investigar sua veracidade, que o faça.

 

Quando a temperatura excede 30º C, o  álcool contido no ASPARTAME se converte em formaldeído e  daí para ácido fórmico (o ácido fórmico é o veneno das  formigas), que provoca acidose metabólica. A toxicidade do metanol imita a esclerose múltipla e as pessoas recebem diagnóstico errado de esclerose  múltipla. A Esclerose múltipla não se constitui  em sentença de morte, mas a toxicidade do metanol sim.  No caso do Lúpus sistêmico, estamos percebendo que é quase tão grave quanto a esclerose múltipla, especialmente em usuários de Diet Coke e Diet Pepsi. Nos casos de Lúpus sistêmico causado pelo  ASPARTAME, a vítima geralmente não sabe que o Aspartame  é a causa de sua doença e continua com seu uso, agravando o lúpus a um grau tão intenso que algumas  vezes ameaça a vida. Quando interrompemos o uso do  Aspartame, as pessoas que tinham lúpus ficam  assintomáticas.

Em uma conferência eu disse: ‘Se  você está usando ASPARTAME (Nutrasweet, Equal, Zero-cal, Spoonful, etc.) e sofre de sintomas como fibromialgia,  espasmos, dores, formigamento nas pernas, câimbras, vertigem, tontura, dor de cabeça, zumbido no ouvido,  dores articulares, depressão, ataques de ansiedade, fala  atrapalhada, visão borrada ou perda de memória – você  provavelmente tem a DOENÇA DO ASPARTAME! As pessoas  começaram a pular durante a palestra dizendo: Eu tenho  isto, é reversível? É impressionante. Há um tempo  atrás houve Audiências no Congresso dos EUA incluindo o  aspartame em 100 produtos diferentes. Nada foi feito. Os lobbies da droga e da indústria química têm bolsos muito profundos(…).”

Artigo escrito por Mancy Marckle

Anúncios

Todos os caminhos levam a Deus

“Você não precisa viver um personagem para Deus gostar de você. Ele aceita você como você é, sem mácaras.” Essa frase foi dita pelo padre Fábio de Melo, aqui em Brasília, no sábado passado (05.02.11). Ele realizou show na Capital como forma de obter recursos para a Abrace, ONG do DF que atende crianças com câncer, e o Hospital do Câncer de Barretos (SP).  O ginásio Nilson Nelson estava cheio, felizmente. Pude perceber que a parte musical é secundária no show. A prioridade é a pregação e me surpreendi positivamente ao perceber um viés ecumênico nos ensinamentos dele, o que, obviamente despertou minha admiração e um respeito maior pelo trabalho desse evangelizador. Agrada-me saber que ele é inteligente o suficiente para abster-se de proselitismo ou defesa de sua própria crença, o catolicismo. Isto porque, se o que ele deseja é aproximar as pessoas de Deus, deve levar em conta que existem vários caminhos e todos são caminhos certos. Apenas é preciso que cada um descubra o caminho que melhor lhe serve. O meu não é o da igreja católica, definitivamente. Nem por isso vou abster-me de conhecer sobre esse caminho, tampouco desrespeitar quem o segue.

“O ser consciente deve trabalhar-se sempre, partindo do ponto inicial da sua realidade psicológica, aceitando-se como é e aprimorando-se sem cessar (…). somente consegue essa lucidez aquele que se autoanalise, disposto a encontrar-se sem máscaras, sem deterioração. Para isso, não se julga, nem se justifica, não se acusa nem se culpa. Apenas se descobre. O ser consciente é austero, mas sem carranca; é jovial, porém sem vulgaridade; é complacente, no entanto sem conivência; é bondoso, todavia sem anuência com o erro. Ajuda e promove aquele que lhe recebe o socorro, seguindo adiante sem cobrar retribuição. É responsável e não se permite o vão repouso enquanto o dever o aguarda. Conhecendo suas possibilidades, coloca-as em ação sempre que necessário, aberto ao amor e ao bem.” Joana de Ângelis.

Entendo que Fábio de Melo e Joana de Ângelis,  embora representantes de religiões diferentes, estão dizendo a mesma coisa, apontando para a mesma direção: a necessidade de ampliação da consciência como forma de salvação. Destacando a importância da transformação interior quando se deseja construir uma aliança com Deus.

Daí porque quaisquer bons doutrinadores sérios, padres ou espíritas, evangélicos ou budistas, pregam o combate à hipocrisia e, ao contrário, a aceitação dos próprios defeitos para poder eliminá-los com ampliação da consciência e esforço de reforma íntima. Não agradará a Deus vestir-se de máscaras, em palavras ou ações, em sacrifícios que mais buscam a confirmação externa do que a modificação interior. Isso será puro desperdício de Vida e de oportunidade de salvação verdadeira.

Quanto mais pesquiso e estudo mais esbarro na mesma constatação: as patologias da alma,  ciúme, desejo de vingança, ira, ressentimentos, suspeitas, insatisfações diversas, inveja e outros componentes da Sombra (na conceituação da Psicologia Analítica) somente podem ser erradicadas quando se atacam as raízes. Daí porque a Psicologia Profunda, em comparação com técnicas de respostas rápidas e/ou de autoajuda,  representa caminho às vezes árduo a seguir, mas o de resultados mais duradouros. Preferencialmente em associação com uma caminhada espiritual, isto é, buscando uma compreensão filosófica de vida mais ampliada, inclusive quanto à preexistência da vida antes do berço e continuidade dela após a morte do corpo. Uma analogia que explica melhor isso: o analgésico pode eliminar a febre e a dor, mas por quanto tempo? Se esses sintomas são reflexos, por exemplo, de uma infecção, quanto tempo levará para a dor e a febre voltarem? Não será mais inteligente submeter-se a uma injeção de antibiótico, por mais dolorosa que ela seja, para eliminar a causa da febre e da dor? Assim também o é com nossas patologias da alma. Jesus nos ensinou: “a boca fala do que está cheio o coração”. Não serão bem sucedidos os esforços para se conter a língua, reprimir a vontade de expressar palavras rancorosas ou maldosas se a maldade inundar o coração. Será preciso eliminar o mal interno, esvaziar os sentimentos sombrios que causam a emissão involuntária de palavras agressivas.  É necessário esvaziar complexos psicológicos que estão por trás de sentimentos e comportamentos involuntários e inconscientes. Pessoas religiosas buscam a salvação; pacientes de psicoterapia analítica desejam a individuação. Quem conhece um pouco das duas coisas sabe que se trata da mesma coisa. Neste caso é permitido servir a dois senhores: a Deus e à Psicologia.

Sobre o Big Brother

Luiz Fernando Veríssimo

Que me perdoem os ávidos telespectadores do Big Brother Brasil (BBB), produzido e organizado pela nossa distinta Rede Globo, mas conseguimos chegar ao fundo do poço…A  décima primeira (está indo longe!) edição do BBB é uma síntese do que há de pior na TV brasileira. Chega a ser difícil,… encontrar as palavras adequadas para qualificar tamanho atentado à nossa modesta inteligência.

Dizem que em Roma, um dos maiores impérios que o mundo conheceu, teve seu fim marcado pela depravação dos valores morais do seu povo, principalmente pela banalização do sexo. O BBB é a pura e suprema banalização do sexo. Impossível assistir, ver este programa ao lado dos filhos. Gays, lésbicas, heteros… todos, na mesma casa, a casa dos “heróis”, como são chamados por Pedro Bial. Não tenho nada contra gays, acho que cada um faz da vida o que quer, mas sou contra safadeza ao vivo na TV, seja entre homossexuais ou heterosexuais.. O BBB é a realidade em busca do IBOPE…

Veja como Pedro Bial tratou os participantes do BBB. Ele prometeu um “zoológico humano divertido” . Não sei se será divertido, mas parece bem variado na sua mistura de clichês e figuras típicas.

Pergunto-me, por exemplo, como um jornalista, documentarista e escritor como Pedro Bial que, faça-se justiça, cobriu a Queda do Muro de Berlim, se submete a ser apresentador de um programa desse nível. Em um e-mail que  recebi há pouco tempo, Bial escreve maravilhosamente bem sobre a perda do humorista Bussunda referindo-se à pena de se morrer tão cedo.

Eu gostaria de perguntar, se ele não pensa que esse programa é a morte da cultura, de valores e princípios, da moral, da ética e da dignidade.

Outro dia, durante o intervalo de uma programação da Globo, um outro repórter acéfalo do BBB disse que, para ganhar o prêmio de um milhão e meio de reais, um Big Brother tem um caminho árduo pela frente, chamando-os de heróis. Caminho árduo? Heróis?

São esses nossos exemplos de heróis?

Caminho árduo para mim é aquele percorrido por milhões de brasileiros: profissionais da saúde, professores da rede pública (aliás, todos os professores), carteiros, lixeiros e tantos outros trabalhadores incansáveis que, diariamente, passam horas exercendo suas funções com dedicação, competência e amor, quase sempre mal remunerados..

Heróis, são milhares de brasileiros que sequer têm um prato de comida por dia e um colchão decente para dormir e conseguem sobreviver a isso, todo santo dia.

Heróis, são crianças e adultos que lutam contra doenças complicadíssimas porque não tiveram chance de ter uma vida mais saudável e digna.

Heróis, são aqueles que, apesar de ganharem um salário mínimo, pagam suas contas, restando apenas dezesseis reais para alimentação, como mostrado em outra reportagem apresentada, meses atrás pela própria Rede Globo.

O Big Brother Brasil não é um programa cultural, nem educativo, não acrescenta informações e conhecimentos intelectuais aos telespectadores, nem aos participantes, e não há qualquer outro estímulo como, por exemplo, o incentivo ao esporte, à música, à criatividade ou ao ensino de conceitos como valor, ética, trabalho e moral.

E ai vem algum psicólogo de vanguarda e me diz que o BBB ajuda a “entender o comportamento humano”. Ah, tenha dó!!!

Veja o que está por de tra$$$$$$$$$$$$$$$$ do BBB: José Neumani da Rádio Jovem Pan, fez um cálculo de que se vinte e nove milhões de pessoas ligarem a cada paredão, com o custo da ligação a trinta centavos, a Rede Globo e a Telefônica arrecadam oito milhões e setecentos mil reais. Eu vou repetir: oito milhões e setecentos mil reais a cada paredão.

Já imaginaram quanto poderia ser feito com essa quantia se fosse dedicada a programas de inclusão social: moradia, alimentação, ensino e saúde de muitos brasileiros?

(Poderiam ser feitas mais de 520 casas populares; ou comprar mais de 5.000 computadores!)

Essas palavras não são de revolta ou protesto, mas de vergonha e indignação, por ver tamanha aberração ter milhões de telespectadores.

Em vez de assistir ao BBB, que tal ler um livro, um poema de Mário Quintana ou de Neruda ou qualquer outra coisa…, ler a Bíblia, orar, meditar, passear com os filhos, ir ao cinema…, estudar… , ouvir boa música…, cuidar das flores e jardins… , telefonar para um amigo… , visitar os avós… , pescar…, brincar com as crianças… , namorar… ou simplesmente dormir.


Cuidado com o Rivotril!

Rivotril NÃO é inócuo como tentam fazer crer  alguns psiquiatras que o prescrevem sem muito critério. E Rivotril não é a solução ideal na maioria dos casos. Ninguém fica curado de pânico apenas tomando Rivotril. Recorrer a esse medicamento ao se manifestar a tristeza ou risco de depressão e uma ansiedade persistente também pode não ser o melhor caminho. Há que se tomar cuidado com os remédios, em especial os psicofármacos. É preciso descobrir as causas dos sintomas, isto é, o que está por trás, por exemplo, do entristecimento ou  do pânico,concomitantemente  ao uso do remédio ou  antes de começar a tomá-lo .

No caso do Rivotril, está havendo uma onda de prescrição dele, nem sempre à luz de criteriosa análise, a ponto de as vendas terem aumentado 37%  de 2006 a 2010. Em quatro anos,  subiram de 13 milhões e meio para 18 milhões e meio a venda de caixinhas de Rivotril. Ao todo são vendidos 14 milhões de caixas por ano, no Brasil,de acordo com levantamento do IMS Health, instituto que audita a indústria farmacêutica. Só perde para o anticoncepcional Microvlar.

E tanto sucesso só acontece no Brasil. Nos EUA, os médicos têm medo de receitá-lo, temendo serem processados. Isso porque, entre outros efeitos maléficos, o Rivotril provoca queda em idosos. Os psiquiatras sérios consideram que há abuso na indicação desse medicamento tarja preta, que causa dependência e pode provocar, também, sonolência, dificuldade de concentração e falhas da memória – verdadeiros “apagões” ou os famosos “brancos”. Uma psiquiatra veterana me explicou que o Rivotril é mais indicado para momentos de crises de alguns transtorno, mas para uso contínuo deve haver mais rigor na prescrição. No entanto, não é isso que se observa na prática.

Algumas das prováveis explicações para o uso exagerado do Rivotril pode ser o preço baixo, a ineficiência da Agência Nacional de Vigilância Sanitária e até um possível conluio entre médicos e a indústria farmacêutica,sempre preocupada com lucro e nunca com a saúde das pessoas.

O psiquitra Ronaldo Laranjeira, professor na Unifesp e coordenador da Uniad (Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas), alerta que três meses de uso do Rivotril já são suficientes para criar uma dependência da droga.

O psiquiatra Mauro Aranha de Lima, conselheiro do Cremesp (Conselho Regional de Medicina), afirma ser “evidente” que existe indicação inapropriada do remédio, especialmente por parte de médicos generalistas, não familiarizados com a saúde mental.

Segundo esse especialista, muitas pessoas já chegam ao consultório com queixas de ansiedade e pedindo o Rivotril. “As pessoas trabalham até tarde, chegam em casa ansiosas e querem dormir logo. Não relaxam, não se preparam para o sono. Tomar Rivotril ficou mais fácil”, diz ele, também presidente do Conselho Estadual Sobre Drogas.

Mas o corpo pode pagar um preço alto por esse comodismo e negligência com a saúde.

Reforçando: depressão, ansiedade, pânico e  outros distúrbios psicoemocionais NÃO DEVEM SER TRATADOS APENAS COM REMÉDIOS. Se há uma causa de fundo psicológico, obviamente é necessário psicoterapia para atacar a causa, e não apenas os sintomas. Psicofármaco não cura doenças, só atua sobre os sintomas.

Como medida preventiva, os laboratórios incluem todas as possibilidades de reações adversas dos medicamentos produzidos por eles. Mesmo sabendo disso, vale a pena ler a descrição os efeitos colaterais atribuídos ao Rivotril, listados na bula do próprio medicamento:

.  Pode causar lentidão de reações, prejudicando a  habilidade de dirigir veículos ou operar máquinas.  Esse efeito é agravado pelo consumo de álcool. Portanto, quem toma Rivotril deve evitar dirigir, operar máquinas e exercer outras atividades que requeiram atenção, principalmente  nos primeiros dias do tratamento – masdepois também, em muitos casos.

. Pode causar convulsões:  em alguns estudos, até 30% dos pacientes apresentaram perda da atividade anticonvulsivante, sobretudo nos  três meses iniciais da administração. Em alguns casos, o ajuste de dose pode restabelecer a eficácia. Quando usado em pacientes nos quais coexistem vários tipos de distúrbios epilépticos, Rivotril pode aumentar a incidência ou precipitar o aparecimento de crises tônico-clônicas generalizadas (grande mal). Isso pode requerer a adição de anticonvulsivantes adequados ou aumento das dosagens deles.

. É desaconselhável para mulheres grávidas.

Tem mais efeitos colaterais:

“Distúrbios psiquiátricos: foram observados amnésia, alucinações, histeria, libido aumentada ou diminuída, insônia, psicose, tentativa de suicídio (os efeitos sobre o comportamento podem ocorrer com maior probabilidade em pacientes com história de distúrbios psiquiátricos), ataque de ansiedade, despersonalização, disforia, labilidade emocional, distúrbio de memória, desinibição orgânica, ideias suicidas, lamentações, diminuição da concentração, inquietação, confusão mental  e desorientação. A amnésia anterógrada pode ocorrer durante o uso de benzodiazepinas em doses terapêuticas, sendo que o risco aumenta com doses mais elevadas.

Foram observadas, ainda, as seguintes reações paradoxais: excitabilidade, irritabilidade, agressividade, agitação, nervosismo, hostilidade, ansiedade, distúrbios do sono, pesadelos e sonhos anormais. Em casos raros, pode ocorrer perda da libido. Distúrbios do sistema nervoso: sonolência, lentidão de reações, hipotonia muscular, tonturas, ataxia.

Também foram relatados: movimentos anormais dos olhos, afonia, movimentos coreiformes, coma, disdiadococinesia, aparência de “olho vítreo”, enxaqueca, hemiparesia, depressão respiratória, fala mal articulada, tremor, vertigem, perda do equilíbrio, coordenação anormal, sensação de cabeça leve, letargia, parestesia. Distúrbios oculares: distúrbios reversíveis da visão (diplopia), particularmente no tratamento a longo prazo ou de alta dose. Distúrbios cardiovasculares: palpitações, dor torácica. Foi relatada insuficiência cardíaca, incluindo parada cardíaca. Distúrbios do sistema respiratório: congestão pulmonar, rinorreia, respiração ofegante, hipersecreção nas vias respiratórias superiores, infecções das vias respiratórias superiores, tosse, bronquite, dispneia, rinite, congestão nasal, faringite. Pode ocorrer depressão respiratória.” (Fonte: Medicina Net)

Bom, não é pouca coisa! E há mais reações adversas (efeitos colaterais). A quem interessar, Clique no link BULA DO RIVOTRIL.

PS1: Por favor, antes de escrever perguntando algo, leia comentários já publicados para perguntas já feitas… a dúvida pode já ter sido esclarecida.

PS2: Este blog não é de orientação, não tenho o selo do CRP para dar orientações pela internet (não disponho de tempo para isso). A intenção é apenas disseminar informações que possam dar um norte inicial às pessoas; o Psicopauta NÃO É UM BLOG COM PROPOSTA DE AUTOAJUDA. Os problemas das pessoas, quase sempre muito sérios, devem ser resolvidos com a intervenção PRESENCIAL  de um especialista. Não tente resolver questões vitais apenas pesquisando na Internet; marque consulta com um psiquiatra ou com um psicoterapeuta da sua cidade.

Ver também: O Brasil Medicado