Saúde e espiritualidade

Acabo de acrescentar à página de ARTIGOS deste blog um texto esclarecedor do Jornalista Paulo Cardoso de Almeida sobre a relação entre saúde e espiritualidade. Leia trechos do artigo, cujo título é UMA PRECE E UM COMPRIMIDO:

“Até que ponto casos de recuperação inexplicavelmente rápida podem ser creditados à fé não se sabe, mas a verdade é que montanhas continuam se movendo por aí. A medicina, sob o olhar atento de alguns observadores de mente mais aberta, acompanha esses movimentos e procura estudá-los na ânsia de compreender o que há por trás disso tudo.

Um dos pioneiros nos estudos científicos do potencial de cura pela fé, o Dr. Harold Koenig, reuniu ao longo dos anos resultados de pesquisas que demonstram que a fé religiosa não só é capaz de prevenir, como pode ajudar na recuperação de doenças graves.”

“Durante as orações, esses pacientes controlam indiretamente suas doenças”, afirma o Dr. Koenig, acreditam que não estão mais sozinhos e que têm o apoio de Deus na batalha contra a doença. “ Isso protege do isolamento psicológico que os derrubaria antes mesmo que a doença o fizesse”. É evidente que isso pode ser encarado, pelos céticos, como mera auto-ajuda, mas esta auto-ajuda já não seria um importante fenômeno a ser estudado? Por quais mecanismos a vontade pode transformar o organismo doente?

Na pesquisa elaborada pelo também pioneiro no tema Dr. Herbert Benson, ele procura explicar a fisiologia envolvida na cura pela fé. Segundo seus estudos, de 60% a 90% das consultas médicas envolvem doenças relacionadas ao estresse – hipertensão, infertilidade, insônia e problemas cardiovasculares. Para ele, esses pacientes possuem um alto índice de noradrenalina e adrenalina, os chamados hormônios do estresse.”

“Para praticar suas orações, a pessoa se coloca em estado de concentração. Isso desacelera os batimentos cardíacos, a respiração, e ela vai relaxando gradualmente. Conforme avança com orações repetitivas, reduz a velocidade de suas ondas cerebrais. De que outra forma se consegue esses efeitos no ser humano? Só com medicamentos. Sendo assim a oração, movida pela fé, atua indiretamente no bem estar e na recuperação”, afirma.

“Na conceituada Faculdade Johns Hopkins, o clínico geral e psiquiatra Dr. Thomas A. Corson ministra um curso sobre “Fé e Medicina”. Ele afirma que esse tema avançará para todas as Universidades pelo mundo e vai ajudar a melhorar ainda mais a relação que já foi tão distanciada: médico-paciente. Aproximadamente 2/3 das universidades americanas já contam com a disciplina de saúde e espiritualidade em seus currículos e aqui no Brasil a Universidade Federal do Ceará foi a pioneira e várias universidades brasileiras já contam com cursos sobre o assunto como disciplina optativa.

Dr. Décio acredita que a cura, de uma maneira ou de outra, sempre passa pela Fé, a crença e a confiança na cura, que são muitíssimo potencializadas pela religiosidade, mas “sempre acompanhada dos medicamentos e tratamentos receitados pelo médico”, como alerta o Dr. Dale A. Matthews, professor de medicina em Georgetown e autor do livro “The Faith Factor” – O Fator Fé: ‘a oração jamais poderá substituir os medicamentos, eles são complementares no tratamento. Ambos, médico e paciente, julgarão quanto é necessário de cada afirma Dr. Matthews’. Por isso a denominação Terapias Alternativas, tem sido substituída por Terapias Complementares, pelos médicos que estudam este assunto.”

“Temas como espiritualidade e religião sempre foram tabu nos meios acadêmicos em especial na medicina. Ciência lógica, racional e objetiva, a medicina encarou por muito tempo esse assunto como sua antítese, uma condição ilusória, subjetiva e difícil de descrever, mesmo sabendo que Hipócrates, o pai da medicina ocidental, colocava a questão espiritual como fundamental para o sucesso de qualquer tratamento.”

“Essa realidade está mudando, estamos avançando, evoluindo. Quanto mais próximos estivermos dos problemas espirituais de nossos pacientes, mais próximos estaremos da cura ou, pelo menos, da compreensão de seus males, sejam eles físicos ou espirituais afirma o Dr. Décio.

O curioso é que as pessoas buscam sua fé apenas em situações extremas. ‘As enfermidades fazem com que as pessoas revejam valores, fiquem mais abertas e mais transparentes. O paciente moribundo é como um oráculo, pergunte e receberá respostas verdadeiras.’ revela Dr. Iandoli.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s